A língua, a linguagem e o inconsciente em O amor da língua

foto

Por Bianca Vasconcellos Krauze Silva

Em O amor da língua, o consagrado linguista francês Jean-Claude Milner alcança novos pontos de discussão na intersecção entre linguística e psicanálise, utilizando-se do conceito lacaniano de lalangue (traduzido por lalíngua ou alíngua) para dimensionar as relações entre língua e desejo.

“Lalangue é do domínio onomatopaico, isto é, não mais de uma língua arbitrária, mas motivada. Esse fato é interessante porque lalangue introduz a conseqüência na linguagem, introdução mediada pela figura materna.” (GÓIS et al. Lalangue, via régia para captura do real)

Milner utiliza-se da lalíngua para conseguir explicar como o inconsciente está envolvido dentro da língua e da linguagem:  o bebê é movido pelo desejo de comunicar-se com a mãe e o faz por meio da lalação, ou seja, ele usa a repetição onomatopeica para suprir suas necessidades, fisiológicas e psicológicas. A lalíngua é, portanto, o único conceito que tem a capacidade de sustentar uma univocidade da língua.

Na obra de Lacan, o real é dado como impossível, uma vez que o sujeito linguístico é constituído em uma estrutura que tem a capacidade de suportar a falta e que resiste à simbolização. Para que o livro de Milner possa ser concebido e consolidado, o autor inicia o texto com a necessidade de esclarecimento tanto do conceito do real da língua quanto dos lugares de exclusão necessários para conseguir delimitar seu objeto de estudo .

“Mas o que haveria de surpreendente na tentativa de, no sentido próprio do termo, domesticar esse real através dessa arte de amar chamada gramática e dessa ciência chamada linguística?”

Milner aponta quatro pontos essenciais a fim de estabelecer esse “real” na ordem do calculável, para que sua análise seja possível. O primeiro ponto é “constituir a língua como um real”, ou seja, compreender que a língua é a causa dela mesma, tendo o signo como mestre de si mesmo. O segundo é “constituir a língua como um representável para o cálculo”; essa representação é dada por meio da formalização da língua, distinguindo cada segmento da língua (signo) pela sua identidade e unicidade.

O próximo ponto que o autor aborda é o ato de considerar o ser falante como “um ponto sem divisão ou extensão”, ou seja, a ausência de passado, futuro, consciente e inconsciente, cujo único desejo é a enunciação. O último ponto colocado por Milner é considerar a multiplicidade dos seres falantes, fazendo-se necessários dois pontos para efetuar uma comunicação: um ponto de emissão e outro de recepção.

A partir do estabelecimento desses pontos, o linguista explica os conceitos de língua e linguagem: as línguas são concebidas como conjuntos de realidades, e a linguagem como “um ponto a partir do qual as línguas podem ser reunidas num todo — mas um ponto ao qual se conferiu extensão”. A cisão da língua é dada pelo equívoco: quando nos deparamos com a homofonia, homografia e homossemia, encaramos o duplo sentido das palavras, já que partimos do conceito da unicidade de cada palavra.

Saussure é recuperado para a sustentação da fundamentação teórica sobre o equívoco e a multiplicidade da língua: “a língua é uma forma, e não uma substância a fórmula que resguarda o idêntico, cabendo à substância da língua revelar, afinal, o que ela é: o não idêntico a si.” A delimitação final do objeto de estudo de Milner é descartar as proposições que impeçam que a língua seja tratada como “Una” e introduz o único conceito que pode dar conta desse univocidade ㅡ a lalangue.

Jean-Claude Milner levanta o questionamento do que seria necessário para designar a língua tanto como objeto de uma ciência como um objeto de amor e, baseado neste questionamento, ele expõe três teses:

“—  quando se diz amar a língua, é propriamente de um determinado amor que se trata;

— a língua que está aí em causa é justamente aquela que a linguística tem de conhecer;

— é por esse entrecruzamento que se pode descobrir o ponto no qual o desejo vem corromper uma ciência humana; ponto em que, estando alerta, é possível notar que se entrelaça uma relação inteligível com uma teoria possível do desejo.”

Milner chega ao cerne da intersecção entre linguística e psicanálise, desenvolvendo a teoria freudiana de que a existência da língua decorre da existência do inconsciente, possibilitando a definição de um ponto em que a língua e o desejo inconsciente articulem-se entre si.

O livro abre caminhos largos para a compreensão dos assuntos complexos que aborda, e os estudos de Milner enriquecem o debate a respeito da influência do inconsciente na língua, iluminando o protagonismo do desejo na linguagem.

CapaO amor da língua

Autor: Jean-Claude Milner

Tradutor: Paulo Sérgio de Souza Jr.

ISBN: 978-85-268-098-02

Reimpressão: 1ª – 2016

Edição:

Ano: 2012

Páginas: 128

Dimensões: 14×21

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s