A demonologia como ferramenta política na Idade Média

001

por Everaldo Rodrigues da Silva Junior

Existe uma imagem, estabelecida no senso comum, do homem medieval constantemente assombrado por forças maléficas, pelas tentações demoníacas e pelo medo que a figura de Satanás e seus asseclas gerava. Tal imagem se reproduziu ao longo do tempo e levou a interpretações errôneas da consciência cristã na Idade Média. Na verdade, até meados do século XIII, a figura do diabo e dos demônios em geral não era um problema para o pensamento cristão, configurando basicamente uma dinâmica de oposição necessária à salvação humana. Os anjos caídos só despertavam interesse escolástico devido ao que representavam nas relações espirituais, já que exprimiam em si a condenação final. Sua existência não lhes dava capacidade de agir sobre a natureza e consequentemente sobre o homem, o que significa que não tinham poder de transformar a realidade. Qualquer realização pavorosa de tais seres não passava de ilusão. Os demônios eram, no fim das contas, ferramentas divinas e não podiam fugir de tal propósito.

No entanto, em determinado momento da Idade Média, pode-se dizer que o demônio ganhou outro status. Alçado à categoria de inimigo número um da fé cristã, passou a ter poderes de influência sobre a alma humana e a ser capaz de estabelecer aliança com os homens para, a partir daí, oferecer perigo real à Igreja e às pessoas. Tal alteração no caráter do diabo modificou o conceito de heresia: antes eram as opiniões que se opunham à cristandade; agora passava a incluir atos resultantes da associação entre os homens e os demônios, atos que tinham efeitos no mundo real, no corpo e na mente das pessoas. Surgiam então os “sacramentos satânicos” e os “sabás”, além da noção de “pacto”, que ofereciam uma explicação tanto à relutância humana em obedecer às soberanias terrenas, ou seja, à governança de reis e rainhas, quanto à sua fragilidade espiritual, que serviria como um convite às influências maléficas e à possessão. Tudo isso impactou os processos inquisitórios e contribuiu para que a famosa “caça às bruxas” ganhasse dimensões assombrosas.

Foi buscando compreender os processos que levaram a essa mudança na condição do demônio na teologia cristã que Alain Boureau buscou documentos medievais, bulas papais e registros da Inquisição. O estudo gerou Satã herético: O nascimento da demonologia na Europa medieval (1280-1330), obra lançada pela Editora da Unicamp em 2016. O livro ilumina recantos da “Idade das Trevas”, mais especificamente o período destacado em seu título, marcado pelo surgimento da demonologia. Ao reconstituir os diversos debates que levaram a novas ideias a respeito das interações entre homens e as forças sobrenaturais, Boureau expôs a suscetibilidade de tais ideologias aos poderes vigentes, mantendo sempre em vista o contexto da época, de disputas e inquietações a propósito das soberanias — tanto as terrenas quanto as divinas.

É essencial para o início dessa nova obsessão demonológica a publicação, entre 1326 e 1327, de uma bula papal, por João XXII, chamada Super illius specula. O papa controverso, ficou famoso por seu envolvimento político em diversos países, buscando promover os interesses da Igreja Católica (e, posteriormente, por ser alvo das críticas de Guilherme de Baskerville em O nome da rosa, de Umberto Eco). A bula, publicada depois de uma intensa consulta a especialistas em teologia, cânone e civilismo, determinava o direito, por parte da Igreja, de processar e perseguir praticantes de magia com ligações satânicas, além de proibir consultas a demônios e a utilização de objetos consagrados ao mal. Era a primeira vez que se mencionava uma aliança maligna entre demônios e humanos. Em seu livro, Alain Boureau traça todo o caminho que levou a essa determinação, explicando que a bula “rompia de modo brutal com a antiga tradição da Igreja […] que tratava os sortilégios e os feitos de bruxaria ou de magia como ilusões diabólicas, sem realidade efetiva”.

A bula surgia em um momento de inquietude para Roma. A sede da Igreja havia sido transferida para a cidade de Avignon em 1309 devido às divergências com o monarca Filipe, o Belo, Rei da França, iniciando o chamado Papado de Avignon, que durou até 1377. Também ocorriam constantes trocas de acusações de influência satânica entre os católicos e os monges franciscanos espiritualistas. Para os franciscanos, por exemplo, o Papa era o próprio Anticristo. Tais antagonismos forçaram o pontífice a buscar uma definição apropriada e bem embasada juridicamente do poder demoníaco sobre o homem. E foi nessa tentativa de desmoralizar adversários políticos, fossem eles nobres ou eclesiásticos, que a demonologia se desenvolveu. Torna-se evidente a partir de então a mudança de status da figura do demônio, que de coadjuvante passa a protagonista de toda uma era de supostas ofensas à Igreja. Esse processo levaria, posteriormente, ao endurecimento da Inquisição e dos métodos empregados para a punição dos hereges.

Ao focar em um período de tempo relativamente curto da história católica e da Idade Média, Boureau consegue realçar as tensões feudais, os complôs políticos, os antagonismos entre religiões e seus reflexos nas determinações de novos “bodes expiatórios” na figura das bruxas, sobre as quais recairia a culpa por diversos acontecimentos daquele período, como por exemplo a epidemia de peste negra que se espalhou pela Europa a partir dos anos de 1340. Em meros 50 anos de história cristã, conceitos e tradições foram moldados e descaracterizados, abrindo caminho para a transformação da Inquisição em uma das maiores forças sociais da época e em uma das mais tristes manchas na história europeia.

Satã herético é um documento de suma importância para os estudos historiográficos medievais, pois ajuda a compreender um período crucial para o desenvolvimento da demonologia como uma ferramenta de punição jurídica.

Satã Herético – O nascimento da demonologia na Europa medieval (1280-1330)

 capa do livro

Autor: Alain Boureau

Tradutor: Igor Salomão Teixeira

ISBN: 978-85-268-1334-2

Edição:

Ano: 2016

Páginas: 256

Dimensões: 16×23

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s