O Brexit e o Estado de bem-estar

Por Ana Carolina Pereira

Em 23 de junho de 2016, o Reino Unido realizou um referendo para que a população decidisse entre sair ou continuar fazendo parte da União Europeia. Com uma maioria de 51,89% dos votos, a escolha foi pela saída do bloco econômico. Após essa decisão, foram necessários anos de negociações e de discussões a respeito da nova realidade do Reino Unido e de como concretizar, de fato,  essa retirada, sendo o ano de 2019 o mais turbulento no quesito “embates políticos” devido a opiniões divergentes sobre como o Brexit deveria ocorrer. Todas essas discussões trouxeram diversas preocupações para os estudiosos do assunto, como o futuro do Estado de bem-estar social na nação.

No intuito de participar dessa discussão, Ursula Huws escreveu o livro Reinventando o Estado de bem-estar: plataformas digitais e políticas públicas, traduzido para o português por Cynthia Costa para a Editora da Unicamp. Ursula Huws é professora na Universidade de Hertfordshire, Inglaterra, e desenvolve pesquisas a respeito do trabalho e suas relações com os meios digitais em diversos países. Huws é autora de várias obras, como A formação do cibertariado: trabalho virtual em um mundo real, também publicada em português pela Editora da Unicamp.

Reinventando o Estado de bem-estar faz parte da série Discutindo o Brasil e o Mundo, que tem o objetivo de, a partir de um conjunto de livros nacionais e traduzidos, envolver-se nas discussões sobre a crise da democracia no Brasil e a ascensão do fascismo no mundo. Com uma linguagem acessível, as obras que compõem a série discutem, como bem coloca a professora Edwiges Maria Morato, diretora da Editora da Unicamp, “o avanço da direita autoritária, a crise do neoliberalismo e os rumos do capitalismo na era digital, o conflito na Ucrânia e o embaralhamento da política internacional”. Criar essa série no ano em que a Editora da Unicamp completa 40 anos reforça o compromisso da instituição com a democracia e a defesa da ciência.

Ursula Huws escreveu o primeiro rascunho do livro em 2019, em um contexto de turbulência política no Reino Unido devido ao Brexit. A nação foi a primeira a sair da União Europeia, e as divergências políticas sobre como esse processo deveria ocorrer foram se acentuando cada vez mais. Nesse sentido, Huws concebeu o livro como meio de compartilhar com um público maior as preocupações – que não eram apenas suas – com o futuro do Estado de bem-estar no Reino Unido, “tanto em relação à sua capacidade de fornecer redes de segurança para os mais vulneráveis, promover a igualdade e gerir a redistribuição, quanto aos tipos de serviços que presta aos cidadãos e como faz isso”. Tal compartilhamento tinha como propósito contribuir para um diálogo acerca dessas preocupações e de como “elas poderiam ser abordadas por políticas públicas”.

A ideia inicial da autora era publicar o livro no período de campanha eleitoral, colaborando, assim, nas discussões políticas sobre o Estado de bem-estar no contexto no qual o Reino Unido se encontrava, mas alguns problemas atrasaram a publicação, que foi adiada para depois das eleições. Segundo a pesquisadora, por conta disso seu papel naquele momento tão crucial “foi reduzido ao de uma espectadora sem voz”. Contudo, a necessidade de debater “o futuro do Estado de bem-estar no século XXI no contexto de uma economia global digitalizada” continuava existindo, ainda mais em face dos resultados das eleições, o que permitiu que o livro fosse publicado para fortalecer as discussões que já haviam se iniciado. Nesse contexto, ele pretende ser uma contribuição sobre as mudanças que o Brexit causou na economia e nos demais setores da nação; não almeja ser um manifesto nem busca cobrir todos os aspectos do governo do Reino Unido. Reinventando o Estado de bem-estar procura servir de base para o diálogo, “oferecendo uma análise de como os princípios subjacentes ao Estado de bem-estar foram sendo desfeitos nos últimos 70 anos e quais foram os impactos disso sobre emprego, assistência social, relações de gênero e, consequentemente, solidariedade, igualdade e inclusão”.

“Talvez as pessoas pudessem se reunir para debater criativamente as maneiras pelas quais as tecnologias de plataforma que eu vinha estudando poderiam ser usadas para reorganizar os serviços existentes e desenvolver outros, criando um Estado de bem-estar digital para o século XXI. Ao menos o contexto de eleições gerais trouxera à baila algumas das questões mais relevantes com uma urgência que não estava presente em outros momentos. Parecia valer a pena tentar. Essa é a ideia original por trás deste livro.”

Outro ponto que a autora levanta é a pandemia causada pelo coronavírus, a qual tornou mais urgente a discussão das questões apresentadas na obra. Com o surgimento da Covid-19, o interesse pela renda básica universal voltou a crescer, e experimentos comunitários, como esquemas de distribuição de alimentos organizados on-line, ganharam espaço no mundo. Esses experimentos assemelham-se às sugestões que a autora levanta nos capítulos finais do livro, quando mostra que ideias que pareciam utópicas podem ser colocadas em prática. Portanto, o livro assume um lugar não apenas de discussão do que ocorre na nação, mas também de proposição de alternativas para reinventar o Estado de bem-estar, partindo da ideia de que “ há muito mais coisas que unem as pessoas do que coisas que as dividem”.

Reinventando o Estado de bem-estar evidencia uma posição otimista da autora, que considera sua obra “uma contribuição construtiva ao desenvolvimento de um manifesto de esperança e de uma política colaborativa que possa construir um futuro alternativo”. Huws argumenta que é necessário não recriar a paisagem institucional do Estado de bem-estar do pós-guerra, mas retornar aos princípios que o inspiraram e, a partir deles, analisar as realidades sociais do Reino Unido e fazer uso de tais princípios para atender às necessidades atuais da população. Nesse sentido, o livro afirma a necessidade de evitar a idealização do Estado de bem-estar social do século XX. Por fim, a obra não propõe soluções dogmáticas, mas sim sugere formas de reinventar o Estado de bem-estar social atual, sendo leitura fundamental para os estudiosos do assunto.

Para saber mais sobre o livro, visite o nosso site!

Reinventando o Estado de bem-estar: plataformas digitais e políticas públicas

Autora: Ursula Huws

Tradutora: Cynthia Costa

ISBN: 9788526815506

Edição: 1a

Ano: 2022

Páginas: 184

Dimensões: 16 x 23 cm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s