Um novo olhar para a análise fílmica

Por Beatriz Burgos

No século XX, o cinema foi definido como a sétima arte pelo teórico e crítico Ricciotto Canudo por ser a arte plástica em movimento, aquela que consegue integrar todas as outras em uma só. Canudo queria quebrar a ideia de que o cinema era apenas um espetáculo em massa e aproximá-lo e integrá-lo às belas-artes, fazendo a cinematografia nascer no campo da arte enquanto aquela que, partindo da imagem e integrando o movimento, congregava todos os outros campos artísticos e era por todos eles inspirada. No entanto, a análise fílmica, ao longo deste mais de um século, deixou a imagem de lado e dedicou-se a escrever apenas sobre o que não se vê.

David Bordwell e Kristin Thompson, com o livro A arte do cinema: uma introdução, publicado pela primeira vez em 1979, e em 2013 pela Editora da Unicamp, invertem a equação. Bordwell, professor de estudos fílmicos na Universidade de Wisconsin-Madison, hoje, um dos principais pensadores do cinema nos Estados Unidos e autor de uma das mais influentes obras norte-americanas no campo, juntamente com Thompson, já professora nas universidades de Wisconsin, Amsterdã e Estocolmo, com também extensa formação cinéfila, escolhem inovar a matéria-prima do filme e debruçar-se sobre ela: a imagem. Na obra A arte do cinema, dedicam-se, assim, a basear seu desenvolvimento nas sequências sistemáticas de fotogramas, e não nas fotos de cena (stills), como até então faziam os livros sobre cinema. Usando de uma plural bagagem de exemplos para sustentar a exposição, citando filmes e ilustrando o texto com ampla gama de imagens, os autores inovam ao colocar em foco a parte inerente da narrativa fílmica, apresentando ao leitor o cinema como arte e analisando-o como um todo, e não em peças fragmentadas.

Assim como o espectador fica absorto no filme enquanto experiência completa, a obra A arte do cinema busca guiar o leitor, em etapas lógicas, pelas técnicas e estruturas que compõem o filme, sempre em uma linha histórica situada. Apresenta ao leitor, portanto, uma visão global da forma cinematográfica, colocando o filme como unidade maior de análise, e é nisso pioneira. É singular ao sair da abordagem meramente conteudística que até então levavam as publicações sobre cinema, debruçando-se sobre a própria imagem em movimento enquanto um conjunto completo.

O livro, que enfatiza o cinema norte-americano, mas não se limita a ele, percorre a história do cinema dividindo-se em seis partes, que podem também ser colocadas em seis questionamentos: Como um filme passa da fase de planejamento para a tela?, Como funciona um filme como um todo?, Como as técnicas fílmicas contribuem para a forma fílmica?, Como classificamos os filmes?, Como podemos analisar um filme de maneira crítica? e Como a arte cinematográfica mudou através da história?. No decorrer dessas seções, os autores voltam o olhar para a importância do plano para a análise fílmica e, em toda a exposição, concentram-se nos aspectos da mise-en-scène e da cinematografia, sem deixar de lado um capítulo sobre montagem e um sobre o som. O livro, portanto, traça um mapa estruturado, que, pegando o leitor pela mão, dá ênfase à competência: destaca os princípios gerais de forma e estilo, mostrando-os em ação a partir de filmes escolhidos como exemplo.

Os autores apontam, no entanto, que os filmes mencionados não necessariamente precisam ser assistidos previamente pelos leitores para que seus princípios gerais sejam captados: diversos outros filmes poderiam ser usados para sustentar os pontos de vista levantados. Bordwell e Thompson acreditam que uma introdução a qualquer arte deva equilibrar exemplos familiares e desconhecidos, expandindo o gosto dos alunos para além daquilo que conhecem ou estão acostumados.

Filmes podem mudar o modo como pensamos e sentimos, e nos beneficiamos de estar abertos a eles o máximo possível.

O tom do livro é introdutório e a obra pensada, de acordo com os próprios autores, para três possíveis leitores: o leitor geral, que gosta de filmes, interessa-se pelo assunto e deseja saber mais sobre a sétima arte; o aluno de um curso introdutório de cinema, a quem A arte do cinema assume a função de um livro didático; e o aluno mais avançado de cinema, que pode encontrar na obra um resumo sobre a estética cinematográfica e sugestões de trabalhos mais especializados.

Voltada para múltiplos públicos, não é de estranhar que a obra tenha atingido tamanha notoriedade e marcado o panorama do ensino e da reflexão sobre cinema nos Estados Unidos desde sua primeira edição, tendo sido traduzido para diversas línguas e sendo sempre atualizada, acompanhando a arte viva que é o cinema. A edição mais recente impressa pela Editora da Unicamp, em 2021, recebe a tradução de Roberta Gregoli e a Apresentação de Fernão Pessoa Ramos, que, sobre a obra, aponta: “Trata-se […] de uma obra que nos fala do cinema como um todo, numa espécie de propedêutica do olhar. Obra que mantém um saudável deslumbramento com seu objeto, reiterando a diversidade e o vigor da arte sobre a qual se debruça”.

Para saber mais sobre o livro, visite o nosso site!

Título: A arte do cinema: uma introdução

Autores: David Bordwell e Kristin Thompson

ISBN: 978-85-268-1020-4

Edição: 2a

Ano: 2021

Páginas: 768

Dimensões: 28 x 21 x 4 cm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s