Revista Voz da Literatura publica edição especial sobre a poeta Emily Dickinson

A poeta estadunidense Emily Dickinson (1830-1886) publicou, em vida, cerca de 10 poemas em periódicos. Sua produção poética circulou em grande parte por meio de cartas trocadas com amigos e familiares.

Ao longo dos anos, Dickinson realizou um trabalho semelhante à “autoedição”, organizando seus poemas em fascículos, por meio da costura das folhas de seus manuscritos.

Essas particularidades de sua literatura motivaram, em boa parte, a edição especial da revista Voz da Literatura “Cartas para Emily Dickinson”.

Outra motivação da Voz da Literatura foi o recente lançamento do primeiro volume da “Poesia completa de Emily Dickinson” (Ed. UnB e Ed. Unicamp, 2020), em tradução de Adalberto Müller, escritor e professor de literatura na Universidade Federal Fluminense. Em edição bilíngue, a obra oferece ao público brasileiro todos os poemas de Dickinson, ou seja, mais de 1800 poemas.

Até então, no Brasil, o leitor contava apenas com coletâneas e seleções de poemas de Dickinson, em traduções realizadas por tradutores diversos, entre eles: Manuel Bandeira, Augusto de Campos, Ana Cristina César.

Na ilustração do número especial da Voz da Literatura, o projeto gráfico vale-se de parte do famoso herbário de Emily Dickinson, espécie de livro de poesia à parte, escrito como flores e plantas.

Todos os colaboradores dessa edição da revista aceitaram a proposta de escrever “cartas” para Emily Dickinson. São textos que atendem ao gênero epistolar ou se caracterizam pelo mesmo intimismo, lançando o leitor no universo poético da poeta estadunidense.

Esse esforço coletivo somente foi possível graças à colaboração e ao apoio de todos os autores. De forma voluntária e com muito entusiasmo, acolheram o convite para participar desse projeto da Voz da Literatura, que estará disponível de forma livre e gratuita a todos os leitores no site da revista. Contamos com as seguintes participações:

  • Adalberto Müller, tradutor de Poesia completa de Emily Dickinson (Ed. UnB; Ed. Unicamp, 2020);
  • Dinarte Albuquerque Filho, poeta e jornalista;
  • Júlia Côrtes Rodrigues, doutoranda em literatura (Unicamp), que prepara o livro Cartas a Susan, com correspondências comentadas de Dickinson;
  • Natália Wiechmann, professora do IFSP e autora do livro A questão da autoria feminina em Emily Dickinson (2015);
  • Tatianne Dantas, doutoranda em literatura (UFS) e psicanalista;
  • Stephen Eric Berry, escritor, compositor e cineasta americano, que produziu o filme Clogged only with music, like the wheels of birds (2017) , exibido no encontro anual da Emily Dickinson International Society em 2018.

Que tal, leitor(a), abrir a “revista-envelope” e ler essas “cartas”? A própria Emily Dickinson, em alguns versos, nos ensina como fazer essa leitura:

Meu Jeito de ler uma Carta – é –

Primeiro – a Porta – à Fechadura

Tranco e empurro com meus dedos –

Por Êxtase de estar segura –

Depois saio de perto

Para neutralizar o toque –

Então tomo nas mãos a Carta

E lenta abro o envelope –

[…]

***

The Way I read a Letter’s – this –

‘Tis first – I lock the Door –

And push it with my fingers -next –

For transport it be sure –

And the I go the furthest off

To counteract a knock –

The draw my little Letter forth –

And slowly pick the lock –

[…]

Clique aqui e confira a edição especial completa em homenagem a poeta Emily Dickinson.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s