Uma breve história da antropologia

Por : Marcelo Gaudio

Assim como a antropologia estuda diferentes culturas, diversas são as correntes de pensamento que desenvolvem teses sobre as manifestações da interação humana. Mas o que acontece quando o antropólogo se transforma no próprio objeto de estudo?

 Traficantes do Simbólico e outros ensaios sobre a antropologia reúne entrevistas, artigos, depoimentos, histórias de vida e fotografias que integram artigos escritos por Mariza Corrêa durante 25 anos no contexto do projeto História da Antropologia no Brasil, desenvolvido no Departamento de Antropologia da Unicamp. O livro, lançado em 2013, apresenta a trajetória da antropologia brasileira no século XX.

 Nesse sentido, o livro retoma uma parte da trajetória de uma figura central para a antropologia, o feminismo e os estudos de gênero no Brasil. Falecida em dezembro de 2016, Mariza Corrêa foi professora do Departamento de Antropologia da Unicamp durante 30 anos e pesquisadora associada do Pagu — Núcleo de Estudos de Gênero, também dessa universidade.

 O primeiro capítulo traz o artigo “Traficantes do Simbólico”, que pontua a necessidade do “olhar para si” da disciplina antropológica. No texto, Mariza ressalta os vários avanços nos debates ao longo do tempo, assim como a importância de sintetizar essas discussões. Lançado originalmente em 1987, o texto nomeia grandes personalidades da antropologia e suas principais realizações que contribuíram para o desenvolvimento da disciplina.

 Os capítulos seguintes ampliam o desafio de transformar o antropólogo brasileiro em objeto de estudo da antropologia. Temos então “Traficantes do Excêntrico”, ensaio escrito em 1988 para a Revista Brasileira de Ciências Sociais, no qual Mariza transita entre datas e personalidades que ajudaram a fundar e a consolidar a “disciplina que se quer uma ciência do outro”. Mas destaca, ironicamente, que sua origem e desenvolvimento no Brasil tenham se dado essencialmente pela atuação de estrangeiros. Desse modo, o artigo apresenta a trajetória que, por muito tempo, foi liderada por estudantes que até meados do século XX precisavam encerrar sua formação no exterior ou, a partir de 1947, tinham a Universidade de São Paulo (USP) como única opção para fazer mestrado ou doutorado na área. Nesse contexto, Mariza destaca o papel fundamental de Darcy Ribeiro para articulação e consolidação da antropologia como campo de pesquisa das ciências sociais.

 A “Revolução dos Normalistas” é um ensaio publicado originalmente no Caderno de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas também em 1988. Centrado na década de 1950, o texto aponta esse período como momento de transição da disciplina antropológica em sintonia com a mudança da maneira como educadores (no contexto da Escola Nova) e cientistas sociais relacionavam-se com a sociedade. O ensaio também indica esta década como o período de inversão entre os estrangeiros e os pesquisadores nacionais na área.  Destaca ainda a criação de instituições que privilegiariam estudos futuros como a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e da Capes (então denominada Campanha de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior), que colaboraram para o fortalecimento das pesquisas em antropologia e ciências sociais.

Por fim, fechando a primeira parte, a professora Mariza Corrêa aborda os anos da ditadura militar, enfocando as décadas de 1960 a 1980. É um momento em que a disciplina começava a “caminhar com as próprias pernas”, com linguagem e objetos de estudo mais próximos culturalmente. Ao invés da ciência do outro, vemos um esforço para aprofundar a ciência dos iguais: “não se trata mais de uma história a ser recuperada, mas sim de uma história compartilhada”. E se por um lado temos a perseguição política que destruiu acervos de pesquisa etnográfica, de outro, constatamos o surgimento de “novos ventos” que impulsionaram toda uma geração de pesquisadores e teses.

 Depois do panorama histórico da antropologia no Brasil, Mariza amplia o mapeamento com entrevistas e depoimentos pesquisadores-chave para se conhecer e compreender os caminhos trilhados pela antropologia no Brasil: Donald Pierson, sociólogo norte-americano que estudou as relações raciais brasileiras; Emilio Willens, sociólogo e antropólogo alemão radicado no Brasil, que elaborou estudos sobre aculturação e foi o primeiro professor da disciplina da antropologia no país; Ruth Cardoso, antropóloga, que desempenhou estudos nos campos do gênero e étnico-raciais; Verena Stolke, antropóloga alemã que estudou conflitos raciais e de gênero.


Título: Traficantes do simbólico & outros ensaios sobre a história da antropologia
Autor: Mariza Corrêa
Edição: 1ª
Ano: 2013
Páginas: 472

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s